Ideias em Jogo: Como a crise dos chips e condutores pode afetar os games?

Ideias em Jogo: Como a crise dos chips e condutores pode afetar os games?

maio 19, 2021 2 Por Izequiel Norões

Fala turma! Tudo bem com vocês?

Faz um tempinho que não temos um assunto por aqui na nossa coluna Ideias em Jogo, mas vamos aos poucos tentando retomar as coisas, afinal estamos reaprendendo muita coisas nos últimos meses e com certeza uma delas é a palavra da vez – “resiliência”. E por isso estamos de volta 😁

O nosso assunto hoje é muito sério e tem sido talvez até ignorado por muitos, mas é algo que temos que olhar com atenção e preocupação.

Com a pandemia, muitos setores produtivos no mundo foram afetados de fabricação a serviços muitas coisas pararam, empresas faliram e/ou tiveram que tomar outros rumos se reinventando ou até mesmo mudando completamente de segmento para sobreviver, outra palavra do momento né?

Mas onde quero chegar com esses argumentos? 🤔

A um problema que afeta não somente seus jogos, mas a todo um mercado que atualmente é completamente dependente da tecnologia. A escassez de chips e condutores.

Entendendo onde tudo começou

Está enganado quem pensa que esta crise começou em 2020. Desde o final de 2017, as empresas que gerenciam componentes eletrônicos vêm enfrentando tempos desafiadores com sucessivas ondas de escassez de peças, aumento de preços e alongamento dos prazos de entrega. Um grande aumento na demanda de um lado e uma escassez de materiais e peças críticas do outro, tensas capacidades para atender à demanda, especialmente para componentes mais simples, como capacitores cerâmicos multicamadas (os chamados, MLCC), resistores, transistores, diodos e até mesmo memórias. Os fornecedores estavam citando prazos de em média de 20 a 30 semanas para entregar.

2020 May be a Messy Year for MLCCs Supply
Imagem de um microchip por dentro e sua composição de MLCCs – (Fonte: passive-components.eu)

Em 2019 as coisas até melhoraram um pouco à medida que os planos de investimento feitos pelos fornecedores aumentaram sua capacidade e produção. Também vimos os fabricantes de equipamentos originais (quem nunca viu uma licença OEM?) executarem novas estratégias de várias fontes, a fim de reduzir o risco de oferta.

O ponto é que por um grande azar em 2020, muitas coisas aconteceram, e uma delas foi o problemas na produção de chips e semicondutores, e isso pegou em cheio diferentes setores da indústria, o que tem se tornando cada vez mais preocupante. E não é por menos, pois isso afeta desde eletrodomésticos, até automóveis, passando pelos consoles, com isso boa parte das empresas precisaram alterar os esquemas ou até paralisar suas linhas de produção por conta da escassez de componentes, ou mudança de necessidades de produção. A China ficou bloqueada em sua produção e boa parte dela foi distribuída para vários lugares do mundo e isso trouxe mudanças profundas de logística e mais custos para muitas empresas.

Quando os fornecedores de componentes puderam fabricar, muitos mudaram suas operações para priorizar peças para o setor de saúde. No início da pandemia, houve uma escassez mundial de aparelhos ventiladores, bem como necessidades crescentes para máquinas de raio-X, ferramentas de diagnóstico e outros dispositivos médicos que fazem uso de componentes eletrônicos. Apropriadamente, os fornecedores contribuíram com sua capacidade para salvar vidas.

No entanto, à medida que essas necessidades foram sendo atendidas, os fabricantes de componentes tiveram que mudar para operações de apoio ao combate e suporta às vitimas de COVID-19. E justo neste momento muitas dessas empresas estavam fazendo investimentos calculados para apoiar tecnologias de ponta que suportam principalmente os mercados automotivo, smartphone e 5G/Internet das Coisas (IoT).

No ano passado pensou-se que o problema aconteceu simplesmente por conta da paralização mundial, mas ainda tem muito mais coisa por vir…

Como explicar a Escassez

A matemática é simples, mas perspicaz. Existem muitos produtos que dependem de chips e condutores, de ventiladores a automóveis, mas vamos pegar como exemplo a indústria de smartphones (afinal eles também servem pra jogar né?). Temos aproximadamente 1,5 bilhão de smartphones fabricados por ano, e cada modelo principal contém cerca de 1.000 capacitores. Isso significa que os fabricantes de smartphones usam cerca de metade dos cerca de 3 trilhões de MLCCs produzidos globalmente a cada ano. Isso faz do mercado de smartphones o principal motor do consumo e da tecnologia.

image16 2
Esta imagem ilustra a quantidade de capacitores do tipo MLCC que são necessários para se construir um telefone celular de última geração (Fonte: embarcados.com.br)


Mesmo que haja um certo sentimento de retomada, indicando que os níveis de produção em algumas empresas esteja de volta ao normal, um novo aumento na demanda impulsionado pela mudança de hábitos, que tem sido alimentado pela pandemia, pode implicar numa outra forma de crise.

Com a demanda aumentando de um lado, mas diminuindo de outro, poderia parecer que estava tudo bem. E estava, até que as empresas notaram que estavam erradas sobre sua demanda e tiveram que rever seus cancelamentos, retomando seus pedidos no último trimestre do ano passado. Para completar, as fabricantes de celulares começaram suas encomendas para os celulares da nova geração, já equipada com 5G, que exige até 40% mais semicondutores.

À medida que a demanda por produtos cresce e a natureza cada vez mais informatizada das coisas, como carros ou acessórios domésticos inteligentes, fez que a necessidade mudasse para mais, nunca houve tanta necessidade de chips. Junto a isso, ao mesmo tempo, a indústria se tornou menor nas últimas décadas, já que muitas empresas de tecnologia, e até mesmo fabricantes de chips como a AMD, mudaram para um modelo fabless onde terceirizam quase tudo da fabricação real para outras empresas (como Samsung ou TSMC).

O resultado de tudo isso é a falta generalizada de chips, e ocasionando a parada de linhas de produção da Volkswagen, oferta menor dos novos smartphones de Apple e Samsung e governos pressionando Taiwan (o maior produtor e chips do mundo) e tentando outras saídas. Sim é claro, nossos consoles também entram nesse barco.

Como as empresas de games estão lidando com a situação

Mesmo já tendo vendido milhares de unidades (cerca de 7,8 milhões – março/21), a Sony relata que a procura continua intensa e a cadeia de fornecimento revela-se incapaz de colocar novos consoles no mercado. Além da falta de chips, que afeta esta e outras indústrias, o mercado assiste também na falta de outros componentes. A Sony teria confidenciado aos analistas de mercado, alegadamente, que a escassez vai persistir pelo menos até 2022. Segundo responsável financeiro, Hiroki Totoki, possivelmente a procura não vai baixar este ano e, mesmo produzindo muitas unidades do PlayStation 5 até ao próximo ano, o fornecimento não vai ser capaz de acompanhar o que o mercado pede.

A Microsoft apresentou a poucos dias seus resultados financeiros correspondentes ao terceiro trimestre deste ano fiscal com um verdadeiro recorde de rendimentos e benefícios na divisão Xbox, mas este crescimento acelerado inclui graves problemas de fornecimento para novos hardwares. Embora a divisão liderada por Phil Spencer termine o trimestre que inclui os meses de janeiro a março com receita de 3.533 milhões de dólares (50% mais do que há um ano) e a venda de hardware tenha subido 232%, muitos jogadores continuam tendo problemas para encontrar o desejado console Xbox Series em lojas e supermercados, e ainda não há uma previsão acertada sobre isso.
“Nos videogames, esperamos um crescimento da receita entre os dígitos médio ou alto”, disse Amy Hood, CFO da Microsoft. Portanto, esse crescimento será acompanhado por outros cerca de 5% e 9% durante os meses de abril a junho de 2021. “A demanda por Xbox Series X e S continuará limitada pela falta de oferta”, reconhecem. Da mesma forma, Hood assume que este segundo trimestre de 2021 terá perdas percentuais de um dígito na venda de conteúdo e serviços xbox em comparação com um ano atrás, principalmente porque esse período em 2020 foi marcado pela pandemia.

Com a Nintendo não é diferente, durante uma apresentação de seus resultados financeiros este ano, relativos ao trimestre que encerrou o ano fiscal de 2021, a empresa japonesa previu uma queda de 12% nas vendas de seu produto carro-chefe para o novo período, mencionou possíveis problemas com a aquisição de componentes importantes, como os chips semicondutores. E conforme seu relatório financeiro, a produção do Switch e de outros produtos “pode ser afetada por obstáculos diante à demanda por aquisição de peças, incluindo o aumento na demanda global por componentes semicondutores”. Mesmo com a imensa preocupação em relação à produção do Switch, a verdade é que a Nintendo está tendo motivos de sobra para comemorar. As vendas totais do console chegaram em impressionantes 84,5 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo no ano fiscal passado. E mais: ainda segundo a empresa, o lucro operacional cresceu 81.8% para US$ 6,2 bilhões entre março de 2020 e o mesmo mês em 2021, o maior da história da companhia.

Então o que acontece com os consoles da nova geração?
Não há unidades de PlayStation 5 e Xbox Series X/S suficientes para todos. Os aparelhos e pacotes de console no valor de cerca de R$ 5000,00 (ou bem mais), aparecem em sites de lojas esporadicamente, mas esses sites, como Submarino, Magazine Luiza e outros, travam ou esgotam seus estoques instantaneamente. Alguns poucos conseguem colocar um console em seus carrinhos, pois boa parte destes inclusive são comprados por outras lojas de menor porte e revendidos por até R$ 8000,00. Sem falar que um número ainda menor será capaz de finalizar sua compra. E se você conseguir, paciência pois, mesmo feito um pedido, sempre haverá a chance de que o varejista de sua escolha o cancele.

A AMD, uma empresa de engenharia de hardware que desenvolve as CPUs e GPUs para ambos os consoles, revelou que a escassez de estoque de consoles provavelmente estará lá para o futuro previsível. “A demanda vai superar a oferta, então haverá algumas pessoas que não receberão o console quando quiserem”, disse Piers Harding-Rolls, diretor da pesquisa de jogos da Ampere.

No último mês de abril, soubemos que a escassez de chips e componentes de semicondutores continuará até o segundo trimestre de 2022, segundo estimativas do CEO da Foxconn, maior fabricante de componentes eletrônicos do mundo. Por sua vez, a AMD, fabricante dos processadores e chips gráficos tanto para PlayStation 5 quanto Xbox Series X | S, espera que a produção de CPUs e GPUs para os novos consoles acompanhe o ritmo abaixo da demanda até o segundo semestre de 2021.
As projeções mais otimistas falam que o fornecimento dos aparelhos tendem a normalizar no final de 2022 ou início de 2023, então o que fazer? Arriscar nos valores atuais? Esperar uma queda do dólar? Esperar 1 ou 2 anos para comprar?

Agora uma consideração bem pessoal…
Os consoles da geração anterior tem uma sobrevida de pelo menos mais 1 ou 2 anos, ainda não saíram jogos exclusivos na nova geração que valha realmente a pena a troca. Principalmente no caso do XBOX que ainda não dispõe de títulos que realmente façam um bom uso dos novos recursos da nova geração. Então quem tem um PS4 PRO ou um XBOX One X, ainda tem algum tempo para aproveitar.

E quem joga no PC está isento de problemas?

A falta de componentes também tem afetado o hardware para os PCs, as novas placas gráficas da Nvidia e AMD, bem como Hd´s e Memórias estão sofrendo aumentos em consequência dos mesmos problemas, a alta do dólar, e pra completar tem também as recentes demandas de máquinas mais potentes para mineração de moedas digitais, com isso nos últimos meses notamos uma alta nos preços em grandes sites de hardware e fica cada vez mais notória a falta de produtos e preços cada vez mais caros.

O problema é um clássico desequilíbrio de oferta e demanda: temos demanda crescente e oferta limitada. A demanda por serviços de computação em nuvem de provedores como AWS, Microsoft Azure e Alibaba continua a disparar. Eles compram muitos semicondutores. PCs são muito procurados. E para completar a “brincadeira” da escassez de GPUs e outros chips temos devoradores de bits geradores de criptomoedas. A demanda está mais crescente do que nunca, e infelizmente não há um horizonte muito bonito pela frente.

Placa gráfica AMD – (Imagem: AMD publicidade)

Segundo Glenn O’Donnell, vice-presidente e diretor de pesquisa da empresa de consultoria em tecnologia Forrester, os compradores de tecnologia precisam ser flexíveis, pacientes e fazer uso de improvisações.


À medida que você compra novos produtos, você pode experimentar problemas de disponibilidade ou aumentos de preços. Se você perceber isso, você tem pelo menos oito opções:
1. Aguarde que o produto fique disponível, mas tenha em mente que o tempo de espera pode ser extenso – semanas ou até meses.
2. Pague o preço mais caro, a oferta é baixa e a demanda é alta e você quer agora, você pode pagar um preço alto.
3. Escolha outra configuração – Veja se há um produto semelhante disponível. Talvez seja um PC com um processador Intel em vez de AMD, ou talvez tenha menos memória. Você poderia enfrentar a opção 2 aqui, também. A configuração será diferente, mas é boa o suficiente? Se assim for, basta pegá-lo; caso contrário, retorne à opção 1.
4. Compre usado. Uma alternativa à opção 3 é comprar produtos usados/remanufaturados. O mercado secundário – a chamada economia circular – é mais quente do que você imagina, e está cheio de coisas boas para comprar.
5. Escolha outro fornecedor/fabricante – Se a HP não tem o pc desejado, mas o equivalente Dell está disponível, este é bom o suficiente? Se for, basta pegá-lo; caso contrário, retorne à opção 1. Isso também se aplica a servidores e muitos outros produtos tecnológicos.
6. Espalhe a carga com pools de recursos tecnológicos – Grande parte da sua capacidade provavelmente está sem uso. A utilização típica do servidor de data center corporativo flutua em torno de 20 a 30%, enquanto os provedores de nuvem podem funcionar perto de 100%. Eles fazem isso juntando recursos e orquestrando tudo com muita automação de infraestrutura. Você pode fazer isso também, mas requer uma padronização séria, muito software de automação e, o mais importante, uma mudança filosófica na forma como os ativos são “próprios” e gerenciados. Esta é uma boa ideia mesmo quando você tem um pouco de chips, mas se você não pode comprar novos equipamentos, você pode ser forçado a este modo. Faça isso!
7. Corra para a nuvem – Falando em provedores de nuvem, este pode ser o seu movimento certo. Eles têm muita capacidade para atender às suas necessidades, e você pode deixá-los se preocupar com as fichas. Nem sempre é a opção certa, mas muitas vezes é uma boa.
8. Cancele seu pedido – Como último recurso, você pode cancelar seus planos e voltar para lutar outro dia. Este certamente não é o resultado desejável, mas às vezes é o certo.


Vamos em frente! Eu fico por aqui e #VouSobreviverJogando 🎮

Referências:

PlayStation 5 continuará escasso até 2022, diz Sony – SBT
Sony estima que escassez de PlayStation 5 dure até 2022 (istoedinheiro.com.br)
O que explica a falta de PS5 e Xbox Series X nas lojas de todo o mundo? – Canaltech
A seca dos chips e a crise de uma indústria de US$ 450 bilhões (infomoney.com.br)
Entenda a crise global dos chips semicondutores – Olhar Digital
Why the Chip Shortage Is So Hard to Overcome – WSJ
‘It’s a Roller-Coaster Ride’: Global Chip Shortage Is Making Industries Sweat – The New York Times (nytimes.com)
Understanding Component and Parts Shortages | Jabil
Capacitor MLCC: Você tentou comprar algum em 2018? (embarcados.com.br)
Xbox Series X supply will remain ‘constrained’ in 2021 – Polygon
2020 May be a Messy Year for MLCCs Supply – Passive Components Blog (passive-components.eu)
Global shortage in computer chips ‘reaches crisis point’ | Technology sector | The Guardian
Some Electronics Components Remain Scarce Going into 2021 | Source Today
PS5 and Xbox Series X out of stock? Chip shortage (tribune.com.pk)
Nintendo alerta que escassez global de chips irá atingir produção do Switch – Olhar Digital
The Global Chip Shortage Won’t Ease Soon (forbes.com)
The global chip shortage is going from bad to worse. Here’s why you should care – CNN
Xbox Series X | S will have stock problems until June 2021, Microsoft estimates – Market Research Telecast
PS5 and Xbox Series X chip shortages will continue until mid-2021, AMD warns | TechRadar