Vem-pra-Mesa

Se você tem interesse em integrar um meio dinâmico e inteligente, os grupos de jogos de mesa são, sem dúvidas, uma excelente alternativa. Por ser uma apaixonada pelo hobby, estou aqui, hoje, para apresentar este novo espaço do site da UCEG que será destinado a falar sobre esse tema que vem conquistando cada vez mais o interesse das pessoas.

Os jogos de mesa, ou “jogos analógicos”, nos oferecem uma prática muito especial e repleta de benefícios, que muitas vezes não são compreendidas até por aqueles que jogam. Infelizmente, sua importância ainda é bastante subestimada. Mas, pouco a pouco, a ideia de que jogos são apenas uma alternativa de lazer vai se esvaindo e dando espaço para seu aproveitamento como ferramenta de educação e incentivo ao desenvolvimento de nossas operações intelectuais. Estes jogos nos ajudam no melhoramento do raciocínio lógico e abstrato, na capacidade de memória e simultaneamente permitem também o conhecimento e o exercício de valores sociais.

Posso citar inúmeras vantagens ofertadas àqueles que têm o hábito de jogar, mas gostaria de falar sobre algumas que considero as principais.

MEMÓRIA

Pode-se dizer que uma das formas de medir a inteligência de uma pessoa é pela capacidade que ela tem de armazenar informações e utilizá-las para tomar decisões e resolver problemas. Ou seja, exercitar sua memória pode te tornar mais flexível e rápido em responder problemas e tomar decisões. A memória é um elemento importantíssimo para qualquer processo de aprendizagem, servindo como base para que muitas de nossas ações do cotidiano sejam realizadas.

11933415_707033652763418_6567143947095873836_n

Memórias verbais e visuais estão naturalmente envolvidas nos processos de um jogo. A memória é o elemento que permite a recordação de regras, associação de ilustrações, elaboração de estratégias baseadas em experiências anteriores, entre outros. Uma memória ruim representa uma desvantagem em relação ao adversário.

O hábito de jogar nos traz a necessidade de uma busca constante por informações e de forma inconsciente a memória é explorada através das ações estipuladas pelo jogo. Além disso, ao tentar memorizar algo, exercitamos também a nossa capacidade de Atenção e Concentração.

RACIOCÍNIO

Há quem associe os jogos à sorte e de fato ela está presente em muitos deles. Contudo, basta conhecer um pouco dos jogos de mesa para perceber que em maior parte é o Raciocínio que nos permite avançar no sentido de alcançar o melhor resultado possível. É ele que nos auxilia a elaborar as melhores estratégias de acordo com os nossos recursos e as nossas possibilidades de jogada. Nem sempre usaremos o raciocínio para obter resultados excepcionais, mas para direcionar nossa estratégia a um resultado menos prejudicial.

Quando estamos dentro de um grupo, estamos sujeitos ao controle do tempo feito por outras pessoas, o que provoca a necessidade de processarmos informações em tempos determinados; forçamos uma maior precisão em nossas ações, planejamos e tentamos prever os passos dos adversários.

MATEMÁTICA e INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Como tudo na vida, a maioria dos jogos exige o uso de matemática básica pelo menos para contagem de pontos, outros poucos envolvem campos mais avançados. Dependendo do jogo e da forma de pensar do jogador, o uso de matemática é mais ou menos constante, podendo até fazer parte de quase todos os momentos. Isso é mais comum nos TCG’s, que exige o uso das operações básicas constantemente, juntamente com interpretação de textos.

content_jogo-de-tabuleiro-mice-and-mystics-cartas-2

Uma carta bem interpretada é uma vantagem por propiciar uma maior velocidade e precisão nas nossas ações. Torna-se elemento decisivo por permitir o uso de cartas nos momentos mais oportunos.

Toda essa diversidade de conteúdo presente nos jogos funciona como um estímulo, inclusive desde o momento da leitura do manual, que muitas vezes pode ser um tanto complexo. Além disso, a riqueza lúdica nos instiga a buscar conhecimento sobre a cultura e o enredo histórico relacionados ao jogo.

SOCIALIZAÇÃO

“É possível conhecer mais sobre uma pessoa numa hora de jogo do que em um ano de conversa.”

– Platão

Afinal, o ambiente de jogos é ótimo para interagir. Conheci pessoas maravilhosas através dos grupos dessa prática, pelos quais também consigo ter contato com pessoas dentro e fora do âmbito de jogos. Tenho amigos do ensino médio que pouco vejo e que as jogatinas são quase as únicas oportunidades que tenho para vê-los. Ou seja, amizades firmadas e mantidas pela prática de jogar.

IMG_20160430_161325605

Naturalmente, tudo que nós aprendemos e absorvemos está contido no meio em que vivemos. Nos grupos de jogos não é diferente, estamos compartilhando o tempo todo. Uma das coisas que mais percebo que desenvolvemos em alguns formatos de jogos é a confiança no outro, o que é fundamental para uma boa socialização. Os valores explorados e praticados influenciam o nosso comportamento não somente durante o jogo, mas os carregamos para outros momentos de nossa vida.

Existem muitos jogos com histórias e mecânicas diversas. Não é difícil encontrar um que seja do nosso perfil, independente de idade, crença ou qualquer ideologia. Se você também tem boas experiências a partir desse universo ou se quer saber mais sobre, passe a acompanhar a coluna que será nas terças e quinzenais. Fica ligado no Vem Pra Mesa.

Não deixem de participar do evento da UCEG nesse domingo, às 14h, na CCD só com os jogos de mesa. Confira os detalhes no link: https://goo.gl/gk9G1Y

T+


Alana Herculano
Futura Contadora, Corretora e Jogadora de BoardGames
“A matemática é o alfabeto com a qual Deus escreveu o universo”