The Division

Hoje vamos analisar a beta de Tom Clancy’s The Division. Um game que está sendo muito criticado, tanto para o lado positivo quanto para o lado negativo. Ao longo da analise iremos falar mais sobre essa relação de amor e ódio, em qual se encontra o game.

Enredo

Literalmente, The Division nos leva para uma realidade fictícia, na qual Nova York foi tomada por uma estranha epidemia, cremos ser a “Variola” no que vemos na mini serie de 4 capítulos, liberada pela própria Ubisoft. Contudo, esse não é o único problema, temos também pessoas contaminadas pelo vírus e gangues controlando a cidade. Para piorar, os principais setores públicos, como polícia e hospitais, não existem mais, o que contribuí para tornar tudo um caos.

E é nesse cenário de guerra e risco biológico que entra você, um agente da Divisão, com o objetivo de proteger os cidadãos e tentar reverter a situação da cidade, para que os infectados sejam tratados, e trazer a grande NY ao seu devido lugar, ou praticamente isso.

Inicio Teaser

Começando a Beta

Começamos com a criação de personagem, o que é de praxe em todo MMO. Porém, percebemos que não podemos modificar nosso personagem (pena ia fazer um gatão, parecido com player). Continuando, podemos apenas escolher entre o modelo feminino ou masculino, gerado aleatoriamente, isso por que as opções físicas estão totalmente bloqueada e serão liberadas somente no lançamento do game.

Começamos o game, com uma pequena cutscene do que está acontecendo em NY,  um resumo do enredo do game, no caso sobre as ruas virando uma campo de guerra, o vírus tomando a cidade e pessoas morrendo em todo canto. Tanto por causa do vírus, como por falta de comida, ou auxílio.

E nosso personagem é membro da Divisão, um grupo de elite criado para lidar com situações peculiares, onde qualquer outro grupo não conseguiria resolver. E cabe a nós declarar o fim dessa catástrofe ao lado dos demais jogadores, ou até mesmo sozinho, algo que não recomendo.

Após a chegada no campo Hudson, o jogo nos pede que vá diretamente a base de operações. Indo pelo caminho podemos perceber vários detalhes sobre o game, a destruição em massa que se passa na cidade, animais como cachorro e pássaros nas ruas, pessoas com fome e pedindo ajuda (algo que achei incrível, foi poder ajudar um civil, que está com fome, ou doente podendo doar itens para ele, e em troca disso recebemos: itens e roupas. Algo que tem em diversidade na beta, tem roupa para tudo que é estilo), e algumas pessoas hostis, as mesmas que estão atacando a base de operações, elas vão tentar te matar a todo custo.

Após a nossa primeira troca de tiros com alguns hostis (membro da facção ou gangue que controla a cidade), encontramos a base de operações, local onde poderemos:  iniciamos missões, compramos equipamentos e liberamos novas habilidades e receber itens da Dark Zone, local que falarei mais para frente.

Logo em seguida, temos mais uma cutscene, pedindo para que você encontre algumas pessoas: Doutores que se encontram no Madson Square para abrirmos uma ala médica, o comandante do JTF que faz parte da área de segurança, e uma pessoa da inteligência para trazer a luz novamente a base de operações.

Então, somos enviado para o hospital Madson Square que é a única missão principal que tem na beta. Ao chegar na ala medica se deparamos com inimigos do mesmo level, onde os enfrentaremos e aprenderemos sobre a mecânica do jogo.

Madson Square Mission

Fora isso teremos, a missões secundarias, algo que também foi muito bem elaborado, e nada enjoativa. Pois cada missão tem um objetivo diferente, e tipos de inimigo diferentes, alternando entre nível fácil e mais difícil, usando todo tipo de armamento e proteção.

Temos também os colecionáveis da Ubisoft, para quem está acostumado com os jogos da franquia Assassin’s Creed é totalmente normal e opcional. Mas recomendo darem uma olhada nas ECHOs, que são arquivos salvo em formas de hologramas em locais definido, eles mostram a historia de cada pessoa que passou por aquele lugar e o que aconteceu, algo totalmente interessante, para quem curte um enredo mais detalhado.

ECHO

Jogabilidade

Na parte de jogabilidade, podemos notar que ela se baseia em TPS com elementos RPG. Um exemplo disso é que não temos HS no jogo, claro que atirar na cabeça causara um dano critico mas não matará de primeira, assim como partes do corpo tomarão mais danos que outras.

Temos também um belo sistema de cover que segue perfeitamente seu comando, juntamente como usar o cover para troca de locais, o que foi uma boa sacada da Ubisoft.

The Division cover

Outro exemplo é que podemos carregar três tipos de armas, duas pesadas e uma pistola. Cada uma com seu dano e suas modificações, algo que é possível no jogo afim de aumentar o dano das armas, estabilidade, range, entre outros atributos.

The 3

Podemos ver também o sistema de Skills, aonde temos apenas quatro liberadas nessa beta, mas só poderemos usar uma em cada slot.

Skills

Nas Skills temos duas médicas, a primeira é como um radar que usamos para descobrir onde NPCs hostis estão, juntamente com isso ela nós da bônus de crítico damage. A segunda é uma arma que cura todos os membros da equipe, também é na parte medica.

Na segunda coluna temos a skill do engenheiro, onde é possível atirar bombas detonáveis que servirá de grande ajuda para ativar armadilha, ou até para escapar de uma enrascada. E a terceira e última é a de segurança, no caso um escudo que somente pode ser usado com a pistola, é algo que não recomendo muito, pois ele se quebra com grandes dano.

Em resumo a Ubisoft conseguiu uma jogabilidade bastante atrativa e viciante, conseguindo trazer um pouco de inovação para esse ano de 2016.

Gráficos e Mapa

Agora vem a parte mais difícil de se falar, algo que vai dar bastante trabalho de resumir ou convencer algumas pessoas, como disse antes: “Uma relação de amor e ódio”.

Vamos começar com algo que todos já sabem. Tom Clancy’s The Division foi apresentado primeiramente na E3 2013, foi um game que trouxe muitos arrepios com um gameplay simplesmente espetacular. Chegou 2016 e foi apresentado a primeira gameplay da sua fase alpha, onde os gráficos exibiam algo bem abaixo do que foi mostrado na E3 2013.

Contudo, isso não é nada que acabe com a diversão. Algo que deixou vários jogadores inconformados, pois o mesmo aconteceu com Watch Dogs, onde o game virou algo totalmente diferente, não só graficamente, mas também em sua jogabilidade. Diferente de The Division, onde manteve seu nível da jogabilidade mostrado em 2013.

E3 2013 Tom Clancy’s The Division

Beta 2016 Tom Clancy’s The Division

Continuando, O que podemos ver nessa Beta? Ouve mudanças gráficas, da versão alpha para cá ?

A resposta é simplesmente sim, pelo pouco que vemos nessa versão beta, a Ubisoft parece ter melhorado um pouco, as ruas estão bem detalhadas, os gráficos foram modelados, mas ainda notamos falta de renderização em alguns locais, ou textura medianas nos prédios, ou carregamentos mais demorado na versão Xbox One ou a falta de renderização de placas na versão PS4, na versão PC sofre do mesmo problema das texturas do prédios onde percebemos que não foi muito bem trabalhada pela desenvolvedora.

The 4

Mas volto a dizer, o visual ainda impressiona mesmo após o Downgrade. A interface do jogo é simplesmente linda,  ela consegue  simular equipamentos com tecnologia de realidade aumentada, no caso dos mapas, com um incrível holograma ao redor do seu personagem.

Tom

E também podemos notar o quão grande é o mapa, que apresenta apenas um pouco mais de 10% comparado ao mapa de Manhattan completo, então espere por um mapa muito grande já que teremos todos os distrito de NY no jogo, o que será muita coisa.

7f781904c06c462c59ed7da0eb4e41e76d33a2f3

O menu principal, onde você seleciona itens, habilidades e equipamentos, abre na tela como se estivesse sendo exibido para o seu personagem, algo simples, que se mantém bonito, porém diferente do menu mostrado na E3 2013, onde a maioria dos players, acharam bem melhor.

Menu E3 2013

Menu 1

Menu Beta 2016Menu 1

A Ubisoft se pronunciou sobre a beta e seus gráficos, falando que o game ainda poderá receber um update gráfico afim de deixar o game cada vez mais parecido com o que foi exibido na E3 2013, e poderá sofrer mudanças também na interface dos menus, a mesma diz está ciente do feedback dos players.

Acreditar ou não?

Mas ainda fica duvida será que vão mudar mesmo?

No meu caso, eu acredito e desacredito na Ubisoft, pois para mim WD foi uma decepção, mas The Crew o game de corrida da desenvolvedora que veio com gráficos medianos, recebeu uma atualização onde teve um imenso update gráfico, isso ficará a critérios de vocês, acreditar ou não?

Dark Zone 

Se ta horrível, por que não pode piorar?

Imagina tudo que lhes falei acima, imaginem que existe algo pior. Isso mesmo vamos falar agora da famosa Dark Zone, onde poderemos achar o melhores equipamentos do game, um lugar onde o nível de contaminação é realmente alto, e por isso poucos se arriscam a ir lá, pois quem vai nem sempre volta.

A verdade sobre a Dark Zone é que ela funciona como uma área multiplayer para The Division, mas também, como citei acima, poderemos achar os melhores itens nela. O Objetivo na Dark Zone durante a beta, é explorar o local em busca de itens lendários, mas para isso precisaremos enfrentar NPCs muito mais fortes do que acharemos fora da Dark Zone,  além de outros players (24), que poderão tentar lhe matar para tomar seus itens.

Para tirar o item contaminado dessa zona, temos três áreas na beta onde podemos chamar um helicóptero com sinalizador, ele virá para recuperar esse equipamento e levar para descontaminação na sua base, e em seguida ficam disponíveis.

Historia da Dark Zone

Vale lembrar que cada Dark Zone, terá NPCs totalmente diferente e absolutamente fortes, e cada vez mais itens lendários, assim como players. Sobre o Players que atiram em outros eles recebem o status rogue por 19 segundos, e se matar receberá o status rogue rank 2, por 89 segundos e assim por diante cada vez que ele matar, seu rank aumenta (máximo 5) assim como o tempo, de rogue. Se o agente rogue for morto você ganha, uma alta recompensa da Dark Zone, além de XP, e o agente rogue perde muita XP e muita grana da Dark Zone.

Mas caso consigam sobreviver com esse status, ganharam uma boa XP, e muita grana da Dark Zone.

Dark Zone Gameplay

Tom Clancy’s The Division Beta

Eu posso dizer simplesmente que o jogo me cativou,  The Division simplesmente junta o útil ao agradável, como: Ação, tiro em terceira pessoa, RPG, sistema de crafting, trade (que poderá ser incluído futuramente no jogo), um incrível mundo aberto, e uma alta gama de personalização de personagens.

Com comandos bem interessantes, e que respondiam bem (delay raramente), além dos gráficos que apesar de não ser tudo que foi mostrado, mesmo assim aparentou ser bonito. O game me passou a impressão que chegará tranquilamente aos consoles e PCs, sem nenhum bug que virá interferi a sua jogabilidade.

Durante o tempo da beta, tivemos alguns bugs e alguns travamentos ou carregamentos mal renderizados, como de praxe da Ubisoft, mas a empresa avisou um dia antes da beta do game, portanto era algo já previsto, a mesma disse que irá remover todos esses problemas antes do lançamento do game. Uma coisa posso afirma, as 24 horas que passei jogando o game, foi um tanto gratificante e viciante, após a beta meu hype só aumentou.

Portanto, vamos esperar esse incrível game chegar, com lançamento no dia 8 de março de 2016, Tom Clancy’s The Division, chegará para Ps4, PC e Xbox One.

Analise Final

Enredo: 9/10

Jogabilidade:  8.5/10

Gráfico: 8/10

Ambientação: 8/10

Nota:  83

E vocês galera, o que acharam de Tom Clancy’s The Division Beta?