Ideias em Jogo Abril

 

No último dia 06 de maio aconteceu na sede da União Cearense de Gamers  a 11ª Edição do Ideias em Jogo, sob a mediação de  Izequiel Norões, com o tema “Conhecendo a Ascende e o cenário da produção no Ceará“. Estiveram presentes os seguintes convidados:

  • Bruno Saraiva (professor)
  • Edward Facundo (desenvolvedor)
  • Marcus Botelho (desenvolvedor e presidente da Ascende)

O evento prestigiou um cenário que atualmente está em crescimento no Estado do Ceará, o Desenvolvimento de Jogos, com a criação da Associação Cearense de Desenvolvedores de Jogos (Ascende Jogo) esse segmento tende a se consolidar ainda mais por aqui.

Uma das indagações colocada no evento foi, como um Estado que possui 3 entidades de formação superior, vários cursos de formação. além de produtores criativos, ainda não despontou no cenário nacional como um polo de desenvolvimento?
Para Marcus Botelho, presidente da Ascende, isso depende da formação e da organização por parte dos desenvolvedores:  “Não adianta imaginar um mundo perfeito onde o cara vai sair da faculdade, se juntar a 3 ou 4 amigos, vai fazer uma empresa, fazer vários jogos, vai fazer sucesso, vai ganhar a vida, tocar ela fazendo jogos,  vai ser super divertido, e a vida é um mar de rosas… Isso é muito lindo e utópico… Nós que trabalhamos com jogos, lidamos com a realidade, fazemos jogos que não queremos fazer, as vezes temos de não dormir para poder produzir alguma coisa, pois existem prazos, então fazer jogos é um trabalho como outro qualquer, a diferença está que no mercado de jogos temos de pensar em que  empresas queremos trabalhar e com isso, temos de ter a preocupação de criar um mercado, e esse, nasce a partir da construção das pessoas e não simplesmente aparece do nada. Então, cientes de que haviam grupos se organizando de forma independente em algumas universidades, notamos que é o momento ideal para juntar os interessados e fomentar o mercado de desenvolvimento no nosso Estado”.

Edward Facundo, desenvolvedor e membro da Ascende, comentou sobre a quanto tempo a produção de jogos existe e por quê somente agora há o interesse de organizar esse segmento: “Temos um histórico de muitos eventos e  iniciativas, como o GDJ-CE, UCEG, Ideias em Jogo que tentaram fomentar o cenário junto ao público produtor e isso remonta um histórico de mais de 10 anos por aqui, temos alguns exemplos de empresas e pessoas que atuam ou atuaram em jogos e produções com qualidade considerável no mercado, então porque esse mercado não existiu ainda e não temos reconhecimento do governo sobre isso? A Ascende veio para atender essa necessidade, mas agora precisamos da adesão deste público e do interesse da comunidade para se organizar e fomentar o mercado. A Ascende vem como representante deste grupo, de forma reconhecida e oficial.

Vendo uma visão mais prática da necessidade da organização do cenário local, Bruno Saraiva comentou sobre o “por quê” de algumas questões que  os desenvolvedores devem responder para ter sentido a organização e o fato de atuarem com desenvolvimento de jogos: “A resposta do por quê deve ser colocada por cada um de nós, posso responder por mim que estou atuando como desenvolvedor, ajudando no Ideias em Jogo, por que estou colaborando com a Ascende, mas talvez minha resposta não motive vocês, esse é um questionamento interpessoal, e cada um tem de encontrar essa resposta… Eu acho que todos devem se questionar no por quê estamos fazendo algo, eu sempre me questiono sobre isso… Lembro de uma ocasião em um dos Ideias em jogo que aconteceu, que questionamos sobre quantos desenvolvedores tínhamos no evento, apareceram muitas pessoas que sinalizaram estar em quase todos segmentos da produção de jogos, mas uma pergunta surpreendeu a todos – por que vocês não fazem jogos? As pessoas naquele momento se entreolharam, ficaram perplexos e  o questionamento naquele momento não teve uma resposta. Até me animei, pensei que aquele questionamento havia tocado no coração de todos e pensei que dali em diante eles sairiam do evento e iriam produzir jogos. Possivelmente dali surgiram novas iniciativas, mas esse questionamento do por quê, ainda permanece e deve ser entendido por cada um de nós. Será que isso ainda motiva os produtores?”

Muito do evento pode ser visto no registro do vídeo:

Outro ponto importante foi a visita de desenvolvedores do interior do Estado. Foi o caso de um grupo que veio de Amontada, cidade que fica há 157 km de Fortaleza.

Dawel (segundo da esquerda para direita), Igor Sousa (terceiro) e Cadorno Teles (quarto) (Foto: UCEG)

Dawel (segundo da esquerda para direita), Igor Sousa (terceiro) e Cadorno Teles (quarto) (Foto: UCEG)

Cadorno Teles é da Secretária de Desenvolvimento Econômico e Institucional de Amontada (SDEIA), e vem realizando um trabalho de captação de jovens que pretendem ingressar no mundo do desenvolvimento de jogos na região.  “Os meninos haviam acabado de concluir a escola profissional e tinham a ideia de fazer um jogo. Começamos a incentivá-los”, detalhou.

Igor Souza e Dawel Alves são alunos que fazem parte do projeto da SDEIA, os dois desenvolvem jogos e ficaram felizes em participar do evento e ter a oportunidade de conhecer melhor o cenário no Estado. “Deu uma baita motivação, vamos trazer ideias novas para lá. Pretendo vir mais vezes,” declarou Igor.

O processo de expansão do projeto está na pauta de Cadorno. “Criaremos um núcleo maior, precisamos apoiar esses projetos. Divulgamos isso nas escolas do município”, acrescentou.

É isso ai pessoal houve um excelente debate e esperamos em breve voltar com mais uma edição do nosso grupo, deixamos o agradecimento a Ascende Jogos e a todos que compareceram ao evento. E em breve nos encontraremos mais uma vez para colocar as #IdeiasEmJogo.


Izequiel Norões
Professor, Analista de Sistemas, Diretor da UCEG e pai do Icaro.
“Sou um cara que acredita que os jogos podem mudar o mundo”

 

 


joaopauloJoão Paulo Gonçalves
Estudante de jornalismo e Gamer de coração.
“Quem joga seus males espanta”