Em uma coluna anterior, falamos sobre todo o primeiro ano da coleção de livros Dossiê OLD!Gamer, publicação da editora Europa.

Agora, trataremos de falar dos 6 livros da segunda temporada (como falei no artigo anterior, tínhamos um gap grande entre o lançamento dos livros e a criação desta coluna, de forma que já tínhamos lido as publicações quando resolvemos criar a Contracapa).

1

A segunda leva da coleção Dossiê OLD!Gamer mantém o mesmo padrão de qualidade da primeira temporada: ótima qualidade de impressão, com folhas internas todas coloridas e com papel couché, em formato 15cmx21,5cm. Foram mantidas, ainda, a quantidade de páginas dos livros originais, em uma média de 250 páginas por edição, e preço também similar, na casa R$ 49,00 a preço de capa mas podendo ser encontrado mais em conta em diversos sites, livrarias e até bancas de revista. Detalhe é que você pode fazer a assinatura da coleção diretamente no site da editora, que já disponibiliza, inclusive, a compra antecipada do 3º ano da série, inclusive com distribuição de brindes para quem compre na fase de pré-venda.

Sendo redundante para quem leu nosso artigo anterior, em todos os volumes, a estrutura organizacional do conteúdo é rigorosamente a mesma, com uma divisão clara em 2 grandes partes. A primeira fala do videogame de forma ampla. Começa com a história do videogame abordado e falando sobre seu respectivo fabricante, a difusão do aparelho no Brasil, tudo com fotos da época e diversas imagens de publicidade dos fabricantes quando dos lançamentos dos consoles e jogos. Ainda são apresentados os principais nomes por trás do console, incluindo dirigentes da fabricante à época do lançamento, engenheiros de hardware e principais desenvolvedores de jogos. Em seguida se aborda o hardware, tratando tanto do console em si (e variações) quando de diversos add-ons e acessórios para o sistema, também acompanhado de diversas fotos.

2

A segunda e maior parte de cada livro se concentra nos principais jogos de cada console, com apresentação de breve sinopse e ficha técnica. Muitos com fotos de telas de jogo. Os jogos são apresentados ano a ano, o que é interessantíssimo para vermos a evolução dos jogos de um sistema ao longo dos anos.

3

O primeiro volume tratou de abordar o Sega Saturn. São abordados 478 jogos do console.

4

Já no segundo volume tratou de falar do Nintendo 64. São abordados 398 jogos.

5

Em seguida, tivemos o volume dedicado ao NeoGeo. Este é o volume, até agora, com o menor número de jogos abordados: apenas 232. O que não é nenhuma novidade, pois o NeoGeo ficou conhecido pelo alto custo de seu hardware e seus jogos, o que não fez com que fosse amplamente difundido como os sistemas da Nintendo e Sega, líderes do mercado naquela época. Então, o baixo volume de jogos não é uma surpresa e isso não diminui a qualidade da publicação. Até ajuda, pois dá maior enfoque ao hardware e séries de jogos. Em minha opinião, a publicação mais bonita da coleção até agora.

6

O quarto volume trata do 3DO e aborda 288 jogos. O 3DO, também ficou conhecido por seu alto custo. Possivelmente o console mais caro de todos os tempos, quando se parametriza os valores dos consoles para os dias atuais. Publicação parecida com a anterior, dedicada ao NeoGeo, com maior enfoque aos em hardware. Visualmente, também, muito bonita e, em quantidade de páginas (256), a menor edição até aqui.

7

Depois tivemos um volume dedicado ao primeiro portátil da história, o Nintendo GameBoy.

8

Encerrando a segunda temporada de publicações, temos a edição dedicada a nada mais nada menos que uma primeira parte sobre os Arcades (o segundo volume desses está reservado para a 3ª temporada da coleção).

9

A terceira temporada já anunciada e em pré-venda, será composta pelos seguintes volumes: Arcade Parte 2, Dreamcast, TurboGrafx, Playstation 2, Atari Jaguar, Game Boy Advance e PC Parte 1. Nem foi lançada, mas já esperamos uma 4ª!


Foto Mario

Mário Coelho Bessa

“Entusiasta de jogos eletrônicos desde os 5 anos de idade, quando ganhou seu primeiro videogame, um Atari 2600. Adora a geração de 16 Bits e, por causa dela, virou colecionador”